Resenha: Maze Runner #1 - Correr ou Morrer ( James Dashner)

Antes de tudo preciso dizer que Maze Runner é uma série viciante e magnífica, e se você ainda não conhece, corre por que é foda demais! 

                 


Thomas acorda em uma caixa de metal, como um elevador que estava subindo.
Quando a caixa para e a "tampa" é aberta, Thomas se vê cercado por inúmeros garotos -que tem aproximadamente a mesma idade que ele- todos o encarando.
A partir do momento que Tom chega, a vivência da clareira muda totalmente. 

As primeiras 30 páginas do livro são meio lentas, pois é a explicação do local, chamado Clareira e entre outras coisas como  o Labirinto, as regras e os Clareanos, que são as pessoas que vivem na Clareira.

Eu senti uma diferença absurda de quando comecei a ler o livro no ano passado(2014) para quando eu comecei a ler esse ano. 
Realmente, no ano anterior achei o começo bem parado e apesar de saber da imensa história e sobre o labirinto , não tive vontade de continuar a leitura.
Já nesse ano, foi tudo diferente. Tenho que admitir que minha empolgação com o livro derivou-se do filme. 
Quando o assisti, fiquei impressionada com a imensidão das coisas, literalmente.
Eu sou muito do visual, me apego muito a detalhes e amo ser surpreendida. E é por isso que Maze Runner tornou-se uma das minhas séries favoritas.

Eu vi o filme e conheci a história, e pensei "O filme não seria tão bom se o livro não fosse!" E foi ai que eu dei uma segunda chance ao livro e cá estou eu, amando falar sobre esta obra maravilhosa que James Dashner criou. 

Como disse antes, eu amo ser surpreendida, e Correr ou Morrer me surpreendeu imensamente. Por que A) Eu não achei que fosse gostar tanto de alguns personagens, vulgo Newt e Minho. B) Não achei que fosse viciar nos livros. E C) Não achei que sofreria mais com mortes de personagens. 

E estou falando tão bem do livro, pois foi ele que "ressuscitou" minha vontade de ler, é saí de uma ressaca literária por ele.


Personagens


A maioria foi muito bem dispostos e explorados. Pelo livro ter tido um começo meio lento, podemos conhecer os personagens pouco a pouco, e foi muito bom conhecer a personalidade de cada um.
Isso é bem aleatório, mas acho que deveria ter um livro contando como os "clareanos originais" viveram no começo da clareia, seria bem legal e interessante ver como eles construíram o seu lar. Seria muito legal ver como Alby, Minho, Newt e alguns outros se organizaram e sobreviveram lá. 


Enfim, após uns dias da chegada de Thomas, conhecemos Teresa. Que também chegou na caixa de metal, porém muito próximo a chegada de Tom e isso faz alguns clareanos desconfiarem deles. 
É bem estranho a estadia de Teresa no começo, ela de imediato não está acordada, mas ainda sim mantém uma ligação mental com Tom. Sim, ligação metal e isso é muito, muito legal.


Eu estou bem ansiosa para falar sobre o Newt, por que eu realmente amei este cara. E eu não sei explicar como isso aconteceu. 
Newt pode ser considerado um observador, toda vez que algo acontece na Clareira ele sempre se mantém calmo. Ele prefere pensar -pensar muito- antes de agir.  E eu acho que foi todo esse jeito calmo dele, o jeito indiretamente carinhoso com o Thomas que fez eu gostar dele.


Já Minho é completamente diferente, ele tem uma personalidade forte e é muito corajoso. Apesar de ser cabeça dura as vezes, eu gosto muito dele, na verdade aprendi a gostar, por que no começo as 'tiradas' que ele usava contra o Thomas me incomodavam.


Thomas é muito semelhante a Minho. Ambos são cabeça dura, eles não pensam muito antes de fazer algo.
Ok, Thomas é o mais sem juízo dali. Mas ambos são extremamente inteligentes, ágeis e incríveis.


Eu tinha -em algumas cenas eu ainda tenho- uma relação de amor e ódio com eles. Algumas vezes, em que eu não concordei com algo que eles fizeram, senti vontade de sentar e conversar com os dois e tentar entende-los.
Sério! Mas eu não me aguento quando eles estão juntos.
Apesar de tudo, tem uma amizade ali; e eu amo as piadas sarcásticas que eles dizem um para o outro. É o ponto alto da amizade deles. 


Essa diversidade toda de personalidade faz o livro ficar muito melhor. Seria bem chato se todos pensassem muito antes de fazer algo, ou se todos fizessem algo sem pensar. É sempre bom ter um equilíbrio nas coisas. E esse equilíbrio foi bem divido nos personagens.


Eu não ia falar dos outros, mas tenho que falar desses dois.
Tenho que dizer que Alby é incrível. Apesar de tudo o que aconteceu no livro, ele se esforçou e lutou por aquilo que ele acreditava e queria, apesar de ter sido trágico. 
Chuck é um garoto interessante. Ele também me lembra o Thomas, ele seria como um irmão mais novo e Minho o irmão mais velho.
Chuck é bem curioso, me vi um pouco nele, em todo essa curiosidade de querer saber de tudo, de ser meio doidinho e adorar contar as novidades. Chuck era uma criança muito inteligente, mas ele não foi tão explorado, o que foi uma pena. 

Eu não vou falar mais pois já estou no final do segundo livro e tenho medo de deixar escapar alguma spoiler involuntário. 
Mas tenham em mente que Maze Runner é uma mega historia, com ação, aventura, suspense, até tem um romance mas não é só isso. Tem todo uma historia por trás e eu sei que tem pessoas que conheceram a série agora, e seria muito bom ver todos elas sendo envolvidos e se surpreendendo com os livros. 

                       



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha: 101 dias com ele - Paula Oliveira